quarta-feira, outubro 28, 2009

...

Completa-se agora o ciclo de uma Lua
que pairou sobre um Rio.
E cresceu.
E, menos tímida, passou a ser completa e escarlate.
De um Rio passou a acompanhar-nos no Mar
e aí se deteve a observar-nos.
Foi a hora dos clandestinos que ali nos trouxe.
Cuidou de nós durante aquelas horas.
Ali manteve-se firme e fez com que a noite durasse.
Não a viamos, só nos viamos a nós. Eu a ti. E ela sempre ali.

Chegou a sua hora, nós à nossa e, com um aceno e um olhar lânguido,
o Sol levou-nos à despedida.

terça-feira, setembro 08, 2009

Música + Curta = ?

Where do you go to (my lovely)? - Peter Sarstedt



Conheci esta música quando vi o filme Darjeeling Limited de Wes Anderson e cativou-me de imediato.

O filme é precedido por uma curta metragem do mesmo Wes Anderson que, de certa forma, é independente da longa-metragem mas simultaneamente faz-lhe um ligeiro prelúdio.

Chama-se Hotel Chevalier!





Retrata o reencontro de um ex-casal protagonizado por Jason Schwartzman no papel de Jack Whitman e Natalie Portman no papel de Ex-Girlfriend. (É gloriosa a escolha de Wes em não lhe dar um nome!). Mas é mais do que isso.

É o desespero de um face ao reencontro, é a total ausência de iniciativa dele de fazer alguma coisa, é o procastinar de levar a sua vida avante, é a ascendência que um ainda tem sobre o outro, é a procura da Ex por um porto de abrigo, algo que ela conhece e é seguro.

Ex Girlfriend - Have you slept with anyone?
Jason Whitman - No! Have you?
Ex - Girlfriend - ... ... no...
Jason Whitman - That was a long pause... Well, I guess it doesn't really matter.
Ex-Girlfriend - No, it doesn't!!

Ao longo da curta, ouvimos esta música através de um ipod ligado a umas colunas no quarto de hotel homónimo onde tudo se desenrola. Vê-se Jack a preparar o ínicio da música para a chegada exacta da Ex.

Ela é fria, dominante, sensual, muito feminina, as nódoas negras no corpo relevam uma tendência para relações perigosas. A Ex tem, sobretudo, o efeito de ter os homens aos seus pés, no fundo, uma coquette.

De certa forma é como se o argumentista, o mesmo Wes Anderson, encaixou a Ex na descrição de Peter Sarstedt da femme fatale da sua música.

Mais uma vez, a visão desfuncional de Wes Anderson das relações e da família leva-nos para um desconcertante momento de pura beleza!

segunda-feira, setembro 07, 2009

Duas



E

Deixa-me entrar

Há uns meses vi um excelente filme chamado Låt den rätte komma in (Deixa-me entrar). Fiquei absolutamente fascinado não só pela história mas sobretudo pelos pormenores de realização.

Não vou fazer quaisquer comentários de fundo porque seria, no mínimo, redutor mas gostaria de salientar apenas a predominância paradoxal cromática do vermelho e do branco.

Quando saí da sala, um dos comentários que ouvi foi a comparação com o Twilight. Nunca tendo ouvido falar do filme, muito menos dos livros, fiz uma breve pesquisa com a inerente visualização. A comparação só se revela possível na medida em que ambos tocam no mesmo tema e ambos se baseiam num romance.

Låt den rätte komma in é um filme cru, frio e com muita energia, não tem uma banda sonora que agrade a qualquer pessoa, é em sueco e os efeitos especiais não são nem demais nem forçados.

A história (de amor) não é gratuita, há sofrimento, nasce torta e é torcida para resultar. Dor é algo que não deve faltar num filme deste género. Ela sofre por não ser como ele, por precisar de algo que não consegue obter sem ser à custa de outro sofrimento, por não pertencer ao mesmo mundo que ele, por não ter ninguém... Ao invés o sofrimento dele é marcado por não ser aceite pelos seus pares, por ser alvo de chacota, pela impotência em ajudá-la, por não a perceber totalmente. Há uma solidão partilhada por ambos...

quarta-feira, janeiro 28, 2009

Love Song

Play With Me

I’d like to be with you, it’s like the only thing I think about
But nerds like me we don’t get ladies yeah we always go without
I was playing Smash Brothers when it was prom night
The last girl I saw was Chinese, she beat me in a street fight
I know I seem standoffish, it appears like I don’t like ya
When all I really wanna do is just Excite ya like a Biker(a)
Wish this was an RPG, I’d change the way I am
You’re a perfect 10 and I know exactly where I stand
Spending hours on a Gamecube, rather be with you
If I’m Weapon X, rejection is my Sabertooth
Basically to me you are a wish still unfulfilled
I’m fragile like a tiny Mario against a Bullet Bill
So I really must refrain, causing hearing No would cause me pain
And to hear me stammer stutter must be driving you insane
Beautiful, intelligent, the woman that I dream about
Scared that if I told ya you would grab my heart and rip it out

Met you at a lan party in my buddy’s garage
Yo I was feeling quite large, the opposite of in charge
Social butterfly until a pretty stranger walks by
Asking me if you needed a CD-Key for Farcry
I started making noises like [stuttering]
Ya giggled, winked, and waved, and said what’s up it’s nice to meet ya
Frankly to be honest you seemed rather out of place
Pretty much the hottest girly that will go up on my MySpace
Looking back I probably should have asked you out right on the spot
But I was regulating heavily on Quake and couldn’t stop
Well at least that’s my excuse
Rather produce a noose and get loose off this boozed up juice
Than deal with another lady telling me that I’m not good enough
If love is just a battlefield I’m happy never suitin’ up
But I can’t resist
Plotting and pondering with those lips, all the ways you kiss

I think I’m starting to get a better lay of the land
You seem to date a lot of assholes, I can be a better man so
I gotta be true, I see me being with you
To get your hand in my hand what does Beefy gotta do?
Seem to see your face like all of the time
Just like Tyler Durden can’t get you out of my mind
So I…some how some way
Gotta believe that you think of me the very same way
And if that’s true how ’bout me and you hook up on a rendezvous
And I can take you for a ride just like Marvel vs. Capcom 2
Might leave me broken like a crack in a disk
But I’m awesome and you’re worth it so I’m taking that risk
So come over to my spot so maybe we can play games
Ya make me feel like Johnny Storm, like I could burst into flames
I’d give ya foot and back rubs every night before you sleep
So just keep that in mind every time you’re thinking of Beef
Game On!

Play with me by Beefy


terça-feira, janeiro 27, 2009

Strictly Nerdcore!

Nerd Power!!

Descobri o nerdcore... Basicamente trata-se de um género de hip-hop dedicado a videojogos, computadores, gadgets, star wars. No fundo tudo aquilo que um nerd gosta! Hip-hop não é para todos e muito menos o nerd power (-up). 

Não posso deixar de sugerir GOSHone, Beefy, MC Frontalot. 

Lyrics da Laptop Muzik de GOSHone. O album está disponível para download no site.


O ano passado estreou nas salas americanas o filme "Nerdcore for life" de que podem ver o trailer aqui.



segunda-feira, janeiro 05, 2009

O meu leitor de Mp3 é do demo...

Tenho o hábito de pôr o meu leitor em reprodução aleatória. É mais rápido e para viagens curtas traz a vantagem de não comprometer a audição de um album inteiro. Deste modo, é tudo variado!

Todavia, das últimas vezes que o faço tenho a sensação que o ipod acerta com o meu estado de espírito. Hoje de manhã assustei-me:


Enfim...e mais tempo houvesse mais música desta apareceria.
Agora, tou a ver o que ainda tinha reservado:


Não consigo deixar de pensar no filme Christine do John Carpenter...